Pesquisar este blog

domingo, 23 de julho de 2017

O DECORATIVISMO DE 
2018-2019


Verão 2018 traz no DNA, uma inspiração que não poderia ser mais conveniente para referenciar o território nacional.

Estamos falando do decorativismo: diferente do que se imaginava, ele atravessou as estações, marcou presença no catwalk das passarelas internacionais, evoluiu no inverno 2018, e sim: deu as caras no Verão 2019.

Porém em solo brasileiro, é o momento de falamos da próxima temporada de calor, logo o fast-fashion é a principal fonte de influências - já que mostra o estilo mais atual dos desenhos, jogados nas apostas mais fortes da estação. 

E o que temos nas araras, é uma divisão entre o vintage, os fits fashionistas lavados, o militar e a cartela sucesso white denim. 
Cada um, traz suas artes favoritas. 


Nas jaquetas, temos o ápice da tendência - com o preenchimento total da peça
por flores espaçadas, de diversas cores e tamanhos, intercaladas por galhos; e a inclusão romântica de paetês, contas e pedrarias junto ao bordado.

No jeans vintage, temos as trepadeiras ornamentais, seguindo principalmente o estilo japonês, com toques valiosos de vermelho vibrante. 






As localizações favoritas, são o entrepernas logo abaixo do bolso americano -
sempre buscando o preenchimento vertical de áreas equivalentes aos pontos de luz e desgaste da peça. Um estilo que é levado para a cartela cargo 

Mas não são apenas os jardins floridos os motivos favoritos dessa trend: borboletas, peixes, gansos e até mesmo dragões orientais são excelentes pretextos para recobrir o índigo trabalhado com esplendor. E nas calças tingidas ou em cartela branca, temos os bordados de plumas e pássaros seguindo a leveza dentro da lógica tom sobre tom. Por fim o grafite - tonalidade importante na estação - traz o rosa chiclete e os caracteres com frases de efeito apostando no vínculo afetivo com o consumidor. 

Em comum, os estilos buscam se sobressair no tecido, pela cor viva, pelo detalhamento, pela pegada ornamental e até pela riqueza das direções de linhas e misturas de aviamentos. 

Agregar é palavra de ordem: estampas com visual artesanal, intercaladas no
mesmo desenho por algumas áreas bordadas, rasgadas ou regadas por pedrarias são bem vidas. É o momento da valorização da beleza do trabalho artesanal - ainda que forjado por modos industriais.

O Guia de Tendências by Guia JeansWear é um serviço de pesquisa de tendências para o segmento jeanswear. Para saber mais sobre como podemos ajudar ainda mais no desenvolvimento de coleções assertivas para sua marca entre em contato pelo email atendimento@guiajeanswear.com.br ou pelo telefone (11) 2475.1113.
Fonte | Assinatura: VIVIAN DAVID | FOTOS: EQUIPE GUIA JEANSWEAR

Vestir tecidos feitos de café já é uma realidade na moda e traz benefícios


Ao acreditar na função de desodorização do café, os fundadores da empresa de roupas esportivas Singtex, Jason e Amy Chen, investiram em pesquisas e no desenvolvimento de fios feitos a partir do grão, na tentativa de criar um tecido que escondesse o odor do suor. A busca da empresa ao entrar para o mercado de design de roupas sempre foi suprir a demanda por materiais inovadores. Após experimentos com o carvão de bambu e carvão de coco, surgiu o sucesso com o tecido S.Café. Usando uma pequena quantidade de café e garrafas de plástico reciclado, a equipe desenvolveu fios fortes e macios, que fracassaram na primeira tentativa. O fracasso se deu ao óleo de café combinado com suor, que levou a um resultado contrário do esperado, exaltando um odor horrível do corpo. Então mais uma vez a tecnologia salvou, e ao investir em uma máquina de extração de CO2, para remover o óleo dos fios, o tecido fabricado, após 4 anos e 8 tentativas, encontrou a eficácia e se mostrou melhor do que outros tecidos do mercado.
 
 
 
 
Um tecido semi sintético, respirável, com toque suave, com propriedades antibacterianas, secagem rápida e resistente a UV. Devido aos grãos de café dentro do fio que preenchem espaços microscópicos da trama do tecido e criam um escudo duradouro e natural, é impedido que os raios UV tenham contato com a pele. Também são exaltadas as vantagens ecológicas do S.Café, feitos a partir de material reciclado, com redução na emissão de CO2 em sua produção e o óleo de café puro que pode substituir material petroquímico. Seguindo essa linha, a Singtex também desenvolveu a Airmen, um segundo produto, não menos interessante, que é uma membrana feita a partir do óleo de café, usada para tornar a prova de água os casacos.
 
 
 
 
Mais de 100 marcas já aderiram ao S.Café, a American Eagle Outfitters com sua linha de jeans com composição de café, Timberland, Hugo Boss, Warrior, The North Face, Lululemon, entre outras.
 
 
 
 
Desde o século VII que o café é consumido como bebida, mas não há muito tempo ele tem sido usado em outras indústrias como a da beleza e moda. O motivo para isso é a tecnologia moderna, que permite que as matérias primas se ramifiquem e sejam utilizadas para fabricar materiais que antes não seriam possíveis.

Drink It. Wear it.


 
 

Estilista cria peças paródias inspiradas em grifes de luxo

Com boa dose de humor, ela cria camisetas, moletons e calças paródias de grandes marcas e oferece um "luxo acessível".

brincadeira, que virou negócio (você pode encomendar a sua peça preferida), é inspirada em letras de músicas de Drake e Post Malone, por exemplo, combinadas a toques pessoais da artista, o que deu origem a este conceito de “luxo acessível”.
“Trabalhos artísticos na moda são bem-vindos e tornam as peças ainda mais luxuosas, mas emprestar elementos divertidos fará com que as pessoas se envolvam rapidamente com a moda”, comentou Dana.
     

Moda do sutiã cone do pós-guerra pode voltar

Conheça a história por trás da peça e entenda como ela ganha destaque em trabalhos de estilistas famosos.

Embora Jean Paul Gaultier tenha criado o famoso sutiã icônico para Madonna em sua turnê Blond Ambition Tour (1990), o estilista não inventou a peça. A origem da moda dos peitos pontiagudos é de 1950.
Na época, a tendência mais quente era a combinação sexy entre os suéteres super apertados e o tal sutiã de pontas exageradas. Estrelas como Patti PageElizabeth TaylorMarilyn Monroe e Brigitte Bardot aderiram aos peitos voluptuosos. No entanto, a moda logo tornou-se obsoleta, pois em 1960 já emergia o movimento feminista.

Uma caricatura da feminilidade

Depois da Segunda Guerra Mundial, as mulheres recuperavam suas curvas com a recente prosperidade e buscavam valorizar seus corpos com as lingeries.
Foi nesta mesma época que surge o revolucionário “New Look” (1947) deChristian Dior impactando as noções de estilo no mundo todo com a promoção de uma figura idealizada de “ampulheta” – quadris redondos, peitos proeminentes e uma cintura ultra marcada por espartilho (para tristeza de Coco Chanel, que havia lutado tanto para libertar as mulheres deste dispositivo de tortura). Claro que nada disso era confortável, mas a sociedade parecia tentar recuperar algum tipo de feminilidade anterior à guerra.
Após a tendência unisex dominar as passarelas, Stella McCartney traz de volta os sutiãs pontiagudos em uma de suas coleções recentes. Será que a moda volta mesmo com tantas conquistas e discussões do movimento feminista?
Prada
Prada (fotosite/Agência Fotosite)

Louis Vuitton
Louis Vuitton, foto: Leo Faria/FOTOSITE (fotosite//Agência Fotosite)